Indústria 4.0: Como adaptar sua gestão para a novo RH

Indústria 4.0

A tecnologia da indústria 4.0 promete transformar o mundo corporativo e o perfil dos profissionais para o novo RH.

 

Com tantos avanços tecnológicos, diversos procedimentos industriais e manuais estão começando a se tornar automatizados.

Executar os processos de forma manual, cada vez mais perde espaço para processos automáticos.

Um bom exemplo: pagar contas no banco. Há quem prefira encarar a fila para pagar os boletos, falar com o gerente pessoalmente ou sacar dinheiro na “boca do caixa”. Enquanto outras, preferem fazer tudo por meio de um aplicativo ou pelo computador.

Para essas pessoas a tecnologia passou a ser indispensável no cotidiano. Assim como as áreas administrativas, de inteligência e de RH que enxergam esse avanço no dia a dia.

Todo esse processo é chamado de Indústria 4.0 – também conhecida como a Quarta Revolução Industrial. Rótulo dado a partir da combinação das práticas industriais tradicionais com a tecnologia.

Engana-se quem pensa que isso somente impacta nos processos industriais, de mão de obra pesada. Esse novo cenário combina a computação em nuvem, big data e inteligência artificial.

Por isso é preciso saber incluir esse conceito nas empresas como uma forma de inovar a gestão. Neste post explicaremos tudo que você precisa saber sobre os desafios da Indústria 4.0 em uma gestão de RH e de pessoas. Confira!

O que é indústria 4.0

O que é indústria 4.0?

A Indústria 4.0 é a combinação das práticas industriais com a tecnologia.

Isso inclui a implantação e o uso em grande escala de tecnologia M2M (máquina para máquina) e Internet das Coisas, uma revolução tecnológica que tem como objetivo conectar os itens usados do dia a dia à internet.

A implantação desses recursos ajuda os fabricantes e consumidores a automatizar processos, melhorar a comunicação e o monitoramento, além de trazer novos níveis de análise para proporcionar um futuro produtivo.

São esses pilares que concedem às empresas processos muito mais brandos e que liberam os funcionários para executar outras tarefas.

É importante salientar que a Quarta Revolução Industrial não é uma nova tecnologia, nem uma disciplina de negócios. Essa é uma nova abordagem criada para atingir resultados que não eram possíveis há 10 anos, graças ao avanço da tecnologia.

Como a quarta revolução industrial impacta o RH

Como a quarta revolução industrial impacta o RH

Apesar da tecnologia estar cada vez mais aprimorada, dificilmente ela nos afetará negativamente – como se fosse um episódio da série Black Mirror. Pelo contrário: o capital humano, conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que favorecem o trabalho com intuito de gerar valor econômico, ainda é muito valorizado, em especial nos departamentos de RH.

Assim como a tecnologia progride a cada dia que passa, o RH e os responsáveis pela gestão de RH precisam estar mais dinâmicos, estratégicos e ativos.

A quarta revolução irá impactar as rotinas dos profissionais continuamente, especialmente para os dias de hoje, quando não adianta manter tradições antigas para o novo perfil dos colaboradores.

Ao atribuir a tecnologia, os procedimentos técnicos mudam. De acordo com relatório publicado pela Deloitte, sobre “Tendências Globais de Capital Humano 2018”, 56% das empresas começaram a remodelar seus processos de RH, ao preferir aproveitar ferramentas digitais e móveis.

Ainda na mesma pesquisa apresentada, na América Latina, 81% das empresas classificam o modelo de RH digital com importante o muito importante. É preciso ficar de olho nas tendências!

Faça o talento ir até você

Faça o talento ir até você!

Quem trabalha com recrutamento de talentos sabe o quanto é difícil encontrar profissionais que preenchem os requisitos das vagas. De acordo com pesquisa do ManpowerGroup, em 2016, 43% dos recrutadores têm dificuldade em ocupar cargos.

Para conseguir suprir essa necessidade, a indústria 4.0 pede a necessidade de planejar uma marca empregadora. Também chamada de employer branding. Que é fazer da sua marca algo mais atrativo, que aumente a reputação e o engajamento da empresa e influência sobre as pessoas.

De modo que ao criar e fortalecer a marca empregadora, ela possa transpassar as seguintes informações para um prospecto como:

  • Um bom lugar para aprender coisas novas e ganhar experiência.
  • Um lugar para se estabilizar e seguir um plano de carreira.
  • Que possibilite conciliar a vida familiar, permitindo flexibilidade nos horários.
  • Um espaço inovador e moderno.
  • Uma empresa tradicional e meticulosa.
  • Uma empresa que tenha uma hierarquia definida.
  • Um espaço com um relacionamento horizontal entre os membros da equipe.

Dessa forma, a marca da empresa funciona como um imã, atraindo profissionais qualificados para a empresa e retendo quem já faz parte do time de colaboradores.

É importante contar com o auxílio de plataformas que otimizem todo o processo de recrutamento e seleção. Dessa forma, é possível gerenciar melhor as vagas e agrupar melhor os seus talentos.

Há muitas formas de conseguir impactar e atrair um bom candidato. Promovendo ações nas redes sociais, que mostrem os “bastidores” da empresa e os colaboradores; divulgação no blog institucional, feiras de eventos, entre outros.

Adequar a empresa ao novo modelo de trabalho

Adequar a empresa ao novo modelo de trabalho

Os avanços conquistados por mesclar a tecnologia de ponta com os procedimentos manuais, estão impulsionando os novos modelos de trabalho e negócio na Indústria 4.0. Uma tendência que requer a adaptação da gestão de RH das empresas.

Diante desse cenário, vemos que a atual geração, busca cada vez mais por flexibilidade. O grande desafio é poder oferecer isso, sem perder a produtividade e comprometimento com o negócio.

Há caminhos para se seguir, como remodelar a cultura organizacional, tornando-a mais inovadora. Investir em ferramentas que contribuam para a gestão de talentos – tanto no setor privado quanto público – uma vez que facilita no monitoramento dos resultados.

O sistema de gestão para recursos humanos do setor público Ergon, permite ao gestor adotar novas e modernas estratégias para adequar o quadro de funcionários. Solicite uma demonstração gratuita!

A chegada da indústria 4.0 demanda que o RH saiba se adequar para suas mudanças. Sendo necessário adotar o planejamento estratégico, ferramentas digitais, cultura organizacional inovadora e inspiradora e foco em gerar os resultados esperados.

Assim, é possível reter mais talentos, destacar a marca da empresa e se diferenciar no mercado. O que você tem feito para inovar? Diga nos comentários! Até a próxima!

Sistema de gestão de pessoas: por que utilizar o Ergon no Setor Público?

Sistema de gestão de pessoas

Se você trabalha com gerenciamento de pessoas do setor público, sabe bem o quanto um sistema de gestão de pessoas é indispensável.

Este tipo de sistema ajuda a otimizar a gestão de pessoas com foco mais estratégico. Gestores que utilizam algum software do tipo podem avaliar o desempenho do setor de RH, dos funcionários, gerir metas e proporcionar um melhor fluxo de trabalho.

A área de recursos humanos é vital para qualquer organização. É uma das áreas que mais evolui, especialmente com a chegada do “RH moderno”.

Este conceito busca criar uma cultura atraente para os colaboradores e proporcionar melhor qualidade de vida dentro da empresa. Novos estilos de trabalho começaram a surgir, trazendo flexibilidade de horário, cargos compartilhados e home office, com a possibilidade de trabalhar de casa.

É aqui onde ferramentas de gestão de pessoas auxiliam o RH a gerenciar essas novas modalidades de trabalho. No setor público, sabemos que os desafios pedem a necessidade de adotar um sistema de gestão de pessoas.

Neste post, vamos apresentar 7 motivos para escolher o Ergon como sua ferramenta de gestão para o setor público. Confira!

Sistema de automação de processos

  1. Sistema de gestão de pessoas que automatiza processos

O Ergon é uma ferramenta que transforma processos manuais em automáticos. É o sistema de gestão de pessoas que gera automaticamente a folha de pagamento dos servidores. Apresenta informações específicas da vida laboral do colaborador para o gestor, ajudando na tomada de decisão para as melhores práticas.

  1. Aproveitamento de funcionários

Quantas vezes você já se deparou com uma área que contém muitos funcionários e uma outra com defasagem? Isso é algo comum.

Um gestor pode fazer um levantamento de funções semelhantes e analisar a quantidade e os funcionários e realocar para áreas que precisam de mais pessoas.

  1. Alinhamento de metas

Toda gestão precisa ter metas para serem atingidas, tanto pelo colaborador quanto gestor. As informações captadas no sistema, permitem que a gestão possa criar estratégias focadas atingir as metas de forma mais rápida e eficiente.

Eficiência na gestão

  1. Aumento de eficiência na gestão

O uso de um software para gestão de pessoas colabora para aumentar a eficiência e a capacidade de executar as atividades de maneira certa, reduzindo erros, riscos e retrabalhos.

É uma solução que permite realizar os cálculos de folha de pagamento, em conformidade com a legislação e os acordos coletivos. Com a tecnologia do Ergon, tudo é realizado com cálculos automáticos, proporcionando mais agilidade e menos repetição de tarefas onerosas.

  1. Mais economia e produtividade

Atualmente, o sistema do Ergon gerencia 2,5 milhões de servidores públicos. Além disso, ajudou a reduzir os gastos com folha de pagamento, gerando 4,6% de economia.

Pois é, um bom software para gestão de RH permite ir além da eficiência em economia e trazer mais produtividade.

O Ergon elimina as longas horas de conferência e retrabalho, decorrente de erros e falhas, que podem surgir de caráter humano ou mesmo de outras soluções tecnológicas adotadas pela empresa.

  1. Informações armazenadas com segurança

Usar papel para armazenar dados e documentos de funcionários é coisa do passado. Agora tudo é digital.

Os dados dos funcionários ficam armazenados nos servidores, protegidos por senhas e criptografados, ou seja, tornar os dados ininteligíveis para que apenas o emissor e o receptor possam ter acesso. No mais, é um processo altamente seguro e que mantém o sigilo total dos dados.

Os departamentos de RH também precisam manter informações de funcionários arquivadas por muitos anos – independente se ele continua no quadro de colaboradores ou não. Em situações como essa, o papel se torna um problema, pois deteriora com o tempo. Enquanto os documentos digitais são preservados para sempre.

  1. Proporcione mais satisfação para sua equipe

Uma equipe motivada faz toda a diferença em um setor. Quando um software de gestão pode ser integrado dentro da sua gestão, colabora tanto para seu benefício quando deles.

Processos bem estruturados para execução das atividades são fatores que vão aumentar a satisfação de toda a equipe, diminuir drasticamente o absenteísmo e o vilão de todo setor de RH: o turnover – a rotatividade de pessoal na organização.

Apresentamos a você 7 motivos que farão você revolucionar sua gestão de pessoas com o software Ergon. Claro, ele possui mais benefícios, quer saber quais? Entre em contato e peça uma demonstração gratuita. Um de nossos consultores está pronto para falar com você.

Gostou do texto? Não esqueça de comentar o que achou e diga-nos qual sistema de gestão você utiliza em sua empresa. Até mais!

Crise Fiscal: Desafios e Soluções para os Próximos Anos

Crise fiscal

A 8 foi um dos assuntos mais discutidos em 2014 nos debates das eleições dos presidenciáveis. O tema ainda é um fantasma que assombrará o próximo presidente durante sua gestão.

Você já deve ter percebido que falar sobre a crise fiscal do estado brasileiro não é algo trivial. Em 2016, o país arrecadou 1,3 trilhão de reais, repassou aos estados R$ 231 bilhões e gastou R$ 1,226 trilhão. O que gerou um déficit de R$ 155,5 bilhões antes do pagamento dos juros, equivalente a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

Para 2017 e 2018, os déficits subiram para R$ 318 bilhões, provando que o Brasil vive uma das mais graves crises fiscais.

Neste post explicaremos um pouco sobre o que é a crise fiscal, quais os desafios e soluções para os próximos anos.

O que é crise fiscal

O que é a crise fiscal?

A crise fiscal é um problema causado quando as despesas do governo são tão altas que o próprio Governo não consegue ter controle da dívida. Um dos princípios básicos da economia doméstica.

A crise nas contas acontece quando não há superávit primário, ou seja, quando não existe resultado positivo nas contas do governo, descontando os juros, uma vez que o objetivo é diminuir e manter a inflação baixa.

O superávit primário, juntamente com o regime de metas e o câmbio flutuante, formam o tripé macroeconômico que guia as políticas econômicas desde 1999. Desde 2012, o Brasil tenta manter o superávit positivo.

Uma série de fatores contribuem para um país deficitário, como a má gestão dos recursos, o aumento da emissão de títulos públicos, que é uma forma do governo para arrecadar sem o aumento de impostos, porém com o crescimento de sua dívida.

A crise fiscal também é outro fator contribuinte para o aumento do déficit público, pois a arrecadação de impostos diminui e mais pessoas passam a necessitar de programas governamentais, aumentando seus gastos.

Com as despesas maiores que sua receita, aumenta-se o risco de inadimplência do governo, de modo que menos agentes confiem no Estado para compra de títulos públicos.

Desafios da crise fiscal

Quais os desafios para enfrentar a crise fiscal

Não será tarefa fácil acabar com a crise fiscal, principalmente a que acomete os estados brasileiros.

De acordo com a coluna ao jornal Nexo, escrita por Marcos Lisboa e coautoria com Ana Paula Vescovi, mostra que a crise no setor público atinge 27 estados brasileiros. Seja em maior ou menor grau, estes estados enfrentam a escassez de recursos para investimento, regimes previdenciários deficitários e dificuldades para pagamento das dívidas.

Se depender do encaminhamento das reformas para 2018 os desafios para enfrentar a crise fiscal dos estados serão enormes, especialmente para evitar que a dívida pública bruta exploda em proporção ao PIB – fazendo com que o país caia em uma nova recessão.

  • Os principais desafios que o Brasil pode enfrentar durante a crise fiscal são:
  • Desequilíbrio das contas – Resultado de privilégios concedidos ao funcionalismo do Executivo.
  • Elevação de tributos – Dado o elevado patamar de carga tributária, não é recomendável ou justo propor um ajuste através da elevação de tributos, especialmente após a recente elevação dos impostos sobre os combustíveis.
  • Ajustes fiscais – Dependendo das ações que o próximo presidenciável tomar, a crise fiscal pode piorar em 2019 e impactar os esforços de evolução no Brasil.

Solução para crise fiscal

Ideias de Solução para a Crise Fiscal Brasileira

Alguns especialistas sugerem que para extinguir a crise fiscal. A solução efetiva está na redução dos gastos públicos. As despesas discricionárias, aquelas que podem ser reduzidas, não representam 10% do orçamento do governo federal; quase 90% do orçamento é composto por despesas obrigatórias, boa parte garantidas constitucionalmente.

Aqui é onde a reforma da previdência se torna urgente, uma vez que reduz uma parcela relevante das despesas obrigatórias.

Outra solução que pode ajudar e que vem sendo utilizada de forma marginal é o conjunto de desonerações tributárias, especialmente para alguns setores privilegiados, entre 4,5% e 5% do PIB.

É importante ressaltar que existem gastos tributários justos do ponto de vista social, mas uma análise mais aprofundada revela a manutenção de privilégios absurdos, especialmente num cenário de restrição fiscal.

O momento é grave e o enfrentamento da crise fiscal é urgente. Portanto, será necessário repensar os critérios do que é socialmente justo e de como o Estado deve financiar os serviços públicos. Precisamos também enfrentar um conjunto de privilégios e ajustar o tamanho do Estado às condições econômicas vigentes.

Gostou do texto? Diga nos comentários uma solução que você acredita que o governo deveria adotar. Aproveita e nos siga nas redes sociais para receber mais novidades! Até a próxima!

Melhores Ferramentas de Gestão de Pessoas

Ferramentas de gestão de pessoas

As ferramentas de gestão de pessoas são importantes métodos que auxiliam o departamento de RH a formar uma estratégia para motivar, conhecer e desenvolver melhor o funcionário

Para realizar uma completa e eficiente gestão de pessoas nas organizações, muitos gestores costumam desenvolver estratégias de desenvolvimento do capital humano.

É por meio desse tipo de estratégia que os gestores buscam atrair os melhores profissionais para suas funções, priorizando o desenvolvimento, retenção e motivação em cada colaborador.

Novas maneiras de desenvolver uma boa gestão de pessoas já começaram a ser estudadas e/ou aplicadas dentro das instituições. Para que estas propostas sejam criadas, apresentamos sugestões de ferramentas que ajudam a tornar o gerenciamento mais eficaz. Acompanhe no Blog Ergon.

Como criar um ciclo PDCA

Como Criar um Ciclo PDCA para Ferramentas de Gestão de Pessoas

Você sabe o que é o ciclo PDCA? Esta sigla vem do inglês, onde cada uma das letras corresponde a uma etapa.

  • P – do verbo “plan”, planejar.
  • D – do verbo “do”, fazer ou executar.
  • C – do verbo “check”, checar, analisar ou verificar.
  • A – do verbo “action”, ação para corrigir eventuais erros ou falhas.

Essa é uma das metodologias mais famosas e utilizadas por gestores nas corporações. Seu intuito é aprimorar o nível de gestão de pessoas, por meio de processos internos e externos, padronizar informações e reduzir possibilidade de erros em tomadas de decisão.

Cada ciclo do PDCA é importante criar um melhor processo nas ferramentas de gestão de pessoas, sendo:

Planejamento: Todo projeto necessita de um bom planejamento, para impedir que aconteçam falhas. É nele que se apontam os problemas, soluções. Executar um planejamento otimiza o tempo e gera um ótimo benefício para a equipe.

Execução: Após planejar, hora de executar. A fase de execução é onde todo o planejamento é colocado à prova. Neste processo três etapas são realizadas: treinamento de funcionário e gestores, realização do plano e coleta dos resultados para análise futura.

Checar: Nesta etapa do processo do PDCA são identificadas as brechas do projeto. É aqui onde a análise dos resultados é concretizada e os dados são mensurados para o mapeamento de processos. A checagem deve ser realizada durante o processo de execução e ao final dele.

Ação: A última etapa do processo é onde são aplicadas as ações de correção do projeto. É simultaneamente o fim e o começo, pois após a análise e identificação dos erros e o reinicio do PDCA.

Modernas ferramentas de gestão de pessoas

Modernas Ferramentas de Gestão de Pessoas

Um novo conceito que surgiu nos meios corporativos é a adoção de novas ferramentas de gestão de pessoas. Essas ferramentas incluem: avaliações de potencial, coaching, gestão por competências, avaliações de desempenho e 360º, pesquisas de clima organizacional, capacitação de lideranças, feedback corporativo, técnicas de recrutamento e seleção e follow up.

Com o intuito de atingir bons resultados nas organizações, as companhias buscam atingir os objetivos através das pessoas. Porém, para adotar essas metodologias é preciso realizar a mudança cultural, onde o erro era visto como sinônimo para punição dos gestores perante funcionários geridos. Agora estamos em um momento onde a humildade, aceitação e reconhecimento das limitações são fonte de aprendizado e desenvolvimento profissional constante.

Logo abaixo, listamos algumas das ferramentas de gestão de pessoas mais utilizadas durante as estratégias das organizações. Confira a que mais se adapta para o seu dia a dia:

Skype – Uma das ferramentas de comunicação mais famosas no mundo. O Skype é um programa que realiza chamadas por áudio e vídeo online e gratuitamente. Muito utilizada para o uso pessoal, a ferramenta passou a ser adotada como instrumento de gestão de pessoas. Muitos recrutadores costumam utilizar o Skype para fazer entrevistas, trabalhar remotamente e conversar em grupos com diversos funcionários que não possam se reunir para entrevistas.

Spark – Outra opção para estabelecer uma boa comunicação interna dentro da empresa é o Spark. Nela é possível conversar com os membros da organização por meio de uma rede independente, de modo que todo histórico e documentação ficará registrado no próprio computador do usuário.

Google Drive e Dropbox – Essas são plataformas de colaboração global em que arquivos, pastas e documentos são criados, acessados e compartilhados. Os arquivos são armazenados na nuvem e, quem estiver autorizado, pode visualizar e editar os documentos de qualquer lugar. Excelente plataforma para o compartilhamento de documentos entre a equipe de gestão.

Ergon – Ferramenta de gestão de pessoas do setor público idealizada para os setores de RH. Por meio do Ergon a folha de pagamento é gerada automaticamente e ainda permite ter acesso a toda a vida funcional do servidor público. É integrada aos sistemas do Governo Federal e também o eSocial. Conheça aqui e peça uma demonstração!

Asana – Você conhece o método Kanbam? Este é um método japonês que significa “cartão” ou “sinalizar”. O método Kanban utiliza três tipos de cartão: para fazer, executando e concluído. Isso permite um controle detalhado de produção com informações sobre quando, quanto e o que produzir. Este tipo de sistema permite gerenciar as tarefas que sua equipe terá que realizar nos prazos estipulados.

Gostou? As ferramentas de gestão de pessoas são ideais para criar uma gestão mais estratégica, comunicativa e dinâmica. Diga nos comentários quais outras você utiliza e compartilhe o texto em suas redes sociais para mostrar o conteúdo aos seus amigos. Até a próxima!